Antevisão e análise ao Campeonato SABSEG por Sérgio Oliveira

A jornada
A pressão aumenta, os batimentos cardíacos disparam. As pupilas e os brônquios dilatam e aquela adrenalina prazerosa prepara as pernas para correr, para fugir. O golo é o protagonista maior do futebol e, para mim, não existem feios. Feio é não o fazer. Foram 27 os golos apontados na 13.ª jornada, um novo recorde na presente edição do Campeonato SABSEG.

Quanto aos resultados, tudo correu como expectável. Os favoritos e candidatos venceram os seus encontros, e aqueles mais aflitos viram a sua situação manter-se “apertada”. A diferença entre o trio da frente e os restantes acentuou-se nesta jornada, em que o São João de Ver, o União de Lamas e a Ovarense vencerem os respetivos jogos. Com este acelerar do passo, o pódio cavou um fosso de seis pontos para o quarto lugar, ocupado agora por Cesarense e Pampilhosa.

O grande vencedor da jornada, no entanto, foi o Estarreja, que recebeu e bateu o Alba por 2-1, num jogo com cambalhota no marcador. Nota ainda para as vitórias fora de portas do Esmoriz e da Ovarense, frente a Fiães e Cesarense, respetivamente. A turma da Barrinha provou, uma vez mais, a razão de ser uma das equipas mais temíveis a jogar fora de portas e voltou a ter em Jean Paul um jogador decisivo. Já os ‘vareiros’ surpreenderam, pelo menos a mim, não pela vitória, mas pelo resultado volumoso na difícil deslocação ao Mergulhão (0-3).

O destaque
Em termos coletivos, o destaque da jornada vai direitinho para a vitória do Estarreja frente ao Alba. Os ‘canarinhos’ até começaram pior. Logo aos 3 minutos, Lane Nhaga, pleno de oportunismo, desfez a igualdade. A necessidade de uma reação, por vezes, não é só uma questão de fazer melhor resultado (ganhar) mas, mais do que isso, sentir-se que existe uma intensidade superior. Num campeonato tão similar, para mim, é este facto que faz a diferença. A equipa de Bruno Magno Grave percebeu isso. Durante toda a partida foi mais intensa, mais dinâmica, mais solidária e foi coroada com a conquista de três pontos. A forma efusiva com que o técnico estarrejense festejou foi o espelho da ambição de todo um coletivo. Um estado de alma que se soltou e que, para mim, é a verdadeira essência do futebol. Uma vitória que não sofre qualquer contestação.

Individualmente, importa destacar Vando. Num duelo de equipas com corações tão diferentes, o São João de Ver não tinha saída: ou ganhava claramente ou perdia cruelmente. Partilho da opinião de que dentro de cada equipa existe um coração. Ela tem de o ter. Ricardo Maia só ainda não sabia que o coração, neste jogo, estava no banco. Os dois golos apontados por Vando, que deram início à 'remontada', tiveram um sabor especial para o avançado. Sei bem, por experiência própria, que não existe melhor sentimento do que ser decisivo depois do infortúnio das lesões. E Vando claramente que já o merecia. Um lutador.

A antevisão
À 14.ª jornada, não faz sentido falar em jogos decisivos. Existem, porém, jogos importantes para as aspirações de algumas equipas. É o caso da receção do Pampilhosa ao União de Lamas. Para os ‘ferroviários’ é um jogo decisivo para ainda poderem entrar na discussão da subida, sabendo que, em caso de derrota, poderá ficar a doze pontos do primeiro lugar. Por outro lado, a equipa de Ricardo Nascimento pretende continuar na senda das vitórias e não descolar do pelotão da frente.

Na insana luta pela manutenção, o Estarreja visita o Carregosense e o Cucujães desloca-se ao sul do distrito para defrontar o Gafanha. Dois jogos num claro confronto direto, em que só os três pontos interessam. No dérbi ‘vareiro’, disputado no Marques da Silva, a Ovarense parte como favorita frente a um São Vicente Pereira que me parece em crescendo. Mesmo com previsão de chuva para domingo, não tenho dúvidas de uma boa moldura humana.

13 de Dezembro de 2019
Notícias Relacionadas
Categorias
Tags
Twitter
Facebook
Notícias Mais Lidas